Avante! – Teoria e Prática em Fotografia Expandida

Você conhece o curso Avante! – Teoria e Prática em Fotografia Expandida?

Mais que uma simples continuação do Curso Básico de Fotografia Expandida, a proposta do curso Avante! é que – após ser introduzido à linguagem fotográfica e dominar seu equipamento – o participante encontre-se como fotógrafo. Ou seja, dentro das inúmeras possibilidades que a fotografia abre, o objetivo é que o aluno descubra sua linguagem e comece a construir o seu próprio caminho.

Construímos uma dinâmica intensa que intercala pesquisa, teoria, prática e análise de material. O curso se concentra no estudo de duas grandes modalidades pictóricas: o retrato e a paisagem. Cada tema passa por uma contextualização histórico-teórica e por apresentação de referências. Parte fundamental para o processo de construção do olhar de um fotógrafo, esse momento teórico possibilita que o aluno conheça a linguagem que está trabalhando, e dessa forma descubra estéticas e abordagens com a qual se identifica.

Juntamente com as aulas teóricas, uma série de exercícios práticos serão propostos ao longo do curso, visando que os alunos experimentem diferentes possibilidades, saindo da zona de conforto e encarando os desafios que a prática fotográfica impõe. Questões técnicas como o uso do flash, iluminação de estúdio e tipos de equipamentos para diferentes situações, por exemplo, serão abordados, assim como questões subjetivas, como a direção de retratado/modelo e relação sensorial com a paisagem.

Os resultados dos exercícios práticos serão analisados pelo professor, juntamente ao grupo, possibilitando assim um acompanhamento individualizado que explore ao máximo os interesses e potencialidades de cada aluno. Confira alguns trabalhos produzidos pelos alunos do curso:

Curso Avante @ Vitória Proença

Foto: Vitória Proença

Curso Avante @ Júlia Roscoe

Foto: Júlia Roscoe

Curso Avante @ Le Huckembeck

Foto: Le Huckembeck

Curso Avante @ Paulo Belotto

Foto: Paulo Belotto

Curso Avante @ Quemuel Cornelius

Foto: Quemuel Cornelius

O curso é ministrado pelo professor, fotógrafo e artista visual Marco A.F, formado em Comunicação Social pela Unisinos. Participa regularmente de exposições no Brasil e na Europa. Recebeu o XII Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia e recentemente foi um dos vencedores do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia.

Ficou interessado? Saiba mais sobre o curso aqui.

Aura Curadoria Contemporânea

Aura

Uma grande exposição coletiva chamada “Perto de Nós” marca o lançamento de uma novidade no mercado das artes visuais brasileiras: a Aura Curadoria Contemporânea, uma plataforma de curadoria com atuação online e off-line que desenvolve projetos de artes visuais independentes ou em parceria com galerias, artistas, revistas e curadores de artes visuais e também agências de publicidade e de eventos, incorporadoras, empreiteiras e empresas interessadas em aproximar a arte de seus ambientes de trabalho.

O coquetel de lançamento da exposição aconteceu ontem (15/04), no Loft da Vasco (Rua Vasco da Gama, 1020), com a participação de 19 artistas e curadoria das editoras da revista Arte ConTexto Paola Fabres e Talitha Motter. As obras dos artistas Adauany Zimovski, Túlio Pinto, Fernanda Valadares, Claudia Hamerski, Ana Hupe, Carla Borba, Eduardo Montelli, Emanuel Monteiro, Fabíola Scaranto, Ismael Monticelli, Letícia Bertagna, Letícia Lampert, Luciane Bucksdricker, Marco A.F., Marcos Fioravante, Mayra Redin, Nathalia García, Rogério Nunes Marques e Ubiratã Braga versam sobre lugares presentes no nosso entorno ou em nossas memórias como casas, ambientes de passagem e paisagens. “Perto de Nós” está aberta a visitação do grande público do dia 20 a 24 de Abril, das 14h às 20h.

As obras expostas já entrarão nos moldes de disponibilização idealizados pela Aura: os projetos, desenvolvidos com artistas e a idealizadora Bruna Bailune, são apresentados virtualmente no site . Os trabalhos que compõem cada projeto ficam disponíveis para aquisição online, e alguns também ganham exposições em espaços alternativos e pulverizados pelas cidades, como é o caso da “Perto de Nós” em seu lançamento no Loft da Vasco.

Espia um pouco da exposição:

Ubiratã Braga, sem título, 2013

Ubiratã Braga, Sem Título, 2013

Marcos Fioravante, Sem título, 2015

Marcos Fioravante, Sem Título, 2015

Luciano Bucksdricker, Campeche da série Salas de [não] estar, 2012

Luciano Bucksdricker, Campeche da série “Salas de [não] estar”, 2012

Letícia Bertagna, 109 da série Situações domésticas para corpos clandestinos, 2011

Letícia Bertagna, 109 da série “Situações domésticas para corpos clandestinos”, 2011

Fabíola Scaranto, Still do vídeo Ponto de Fuga, 2014

Fabíola Scaranto, Still do vídeo “Ponto de Fuga”, 2014

Eduardo Montelli, Um aniverso a mais, 2014

Eduardo Montelli, Um aniverso a mais, 2014

Marcos Fioravante, Sem título, 2015 (2)

Marcos Fioravante, Sem Título, 2015

Bruna explica que um dos principais objetivos da Aura é colaborar para a constante renovação do circuito de arte contemporânea e incentivar a formação de novas coleções de arte. “Como visamos fomentar o colecionismo, vamos elaborar também ‘prints’ da obra de artistas que se destacam no circuito, em uma tiragem limitada, e em diversos tamanhos. Essas impressões ficarão disponíveis no site para que as pessoas possam escolher o formato e assim iniciar ou incrementar a sua coleção”, destaca.

O local da exposição inicial segue a tendência de espaços inusitados, compartilhados ou ainda espaços que não abrigam originalmente exposições. O loft escolhido é um espaço privado que abre as portas ao público e se torna interessante pela atmosfera industrial, com as estruturas aparentes e tijolos de concreto, em contraste com as obras de arte. Essas ideias surgiram das andanças de Bruna pela Europa e pelo Brasil.

Bruna é arquiteta, mas seguiu seus estudos e vivências relacionadas à arte em Barcelona, onde realizou a pós-graduação “O Espaço Expositivo na Arte Contemporânea”, no Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona. Ela também construiu uma larga experiência por ter trabalhado em galerias e instituições como a Galeria Antic & Modern, em Barcelona; na implantação do Paço do Frevo, em Recife; e na produção da 9ª Bienal do Mercosul, em Porto Alegre. Ela também é fundadora do projeto de arte contemporânea Cooosmo e da galeria virtual Prisma.

Exposição “Perto de Nós”
Lançamento da Aura Curadoria Contemporânea

Visitação de 20 a 24 de abril, das 14h às 20h
Loft da Vasco – Rua Vasco da Gama, 1020

Observação: o Loft oferecerá serviço de bar e espaço para coworking com acesso gratuito nesse período

Acesse a galeria no site: www.aura.art.br

Fluxo.Mov – O núcleo de cinema e audiovisual da Fluxo

Fluxo.mov @ Fluxo - Escola de Fotografia Expandida

A Fluxo.mov é o núcleo de cinema Escola Fluxo e tem como objetivo fomentar o ensino em cinema, trazer conhecimento e reflexão, além da troca de experiências e aperfeiçoamento para quem atua nesta área. A diretora, roteirista e produtora cinematográfica Beca Furtado é a curadora do núcleo, que passa a oferecer vários novos cursos, palestras, workshops, intervenções, entre outras atividades.

A escola oferece três novos cursos com grandes nomes do audiovisual brasileiro: “Brand Storytelling – A Potência da Construção Narrativa”, com o mestre em Produção Crossmedia e consultor Gabriel Motta Ferreira, “Montagem Audiovisual”, com o montador, diretor e roteirista Vicente Moreno; e “Direção Cinematográfica”, com o diretor e roteirista Emiliano Cunha.

Fluxo.mov @ Fluxo - Escola de Fotografia Expandida

Além destes cursos, a Fluxo agrega ao seu escopo outros cursos de cinema e um grande time de professores do audiovisual, como o diretor de fotografia Bruno Polidoro, o diretor de som e imagem Caio Amon, os diretores cinematográficos Gustavo Spolidoro e Pedro Gusmão e os profissionais do estúdio de cinema, som e música Kiko Ferraz Estúdio.

Fique atento a agenda de cursos da Fluxo.mov:

Recording – Introdução ao fazer cinematográficos
Turma Noite – 13 a 27 de Maio
Segundas e Quartas, das 19h30 às 22h30

Inscrições pelo e-mail: contato@escolafluxo.com.br
Mais informações

Direção Cinematográfica – Construindo atmosferas
Turma Noite – 27 a 14 de Maio
Segundas e Quartas, das 19h30 às 22h30

Inscrições pelo e-mail: contato@escolafluxo.com.br
Mais informações

Montagem Audiovisual – Como, quando e por que cortar
Turma Noite – 18 a 21 de Maio
Das 19h30 às 22h30

Inscrições pelo e-mail: contato@escolafluxo.com.br
Mais informações

Brand Storytelling – A Potência da Construção Narrativa
Turma Noite – 18 a 27 de Maio
Segundas e Quardas, das 19h30 às 22h30

Inscrições pelo e-mail: contato@escolafluxo.com.br
Mais informações

Bate-papo Berlinale 2015

Berlinale 2015

Willian Silveira (Papo de Cinema), Jaqueline Beltrame e Gustavo Spolidoro (Cine Esquema Novo), participaram do Berlin International Film Festival (Berlinale) – um dos mais relevantes festivais de cinema da Europa e do mundo – e apresentam ao público no dia 31 de março, às 20h no Auditório do Goethe-Institut Porto Alegre, sua visão do Festival.

Berlinale 2015

A 65ª edição da Berlinale aconteceu de 5 a 15 de fevereiro na capital alemã. Reconhecido como um dos três festivais de cinema mais importantes do mundo – juntamente com Veneza e Cannes -, o evento traz na programação filmes realizados nas mais variadas partes do globo.

A Berlinale conta com três mostras principais, espalhadas pelas mais de 30 salas de cinema de Berlim. Em uma delas, a Wettbewerb (Competição), diretores consagrados como Werner Herzog, Terrence Malick e Patricio Guzmán dividem espaço com nomes menos conhecidos na disputa pelo famoso Urso de Prata. Na Panorama, o amplo recorte permite identificar as temáticas e preocupações pertinentes a cada cinematografia. Na Forum & Forum Expanded, o recorte recai sobre obras preocupadas com a experimentação da linguagem audiovisual. O cinema brasileiro, que este ano não foi selecionado para a Competição, esteve presente com o significativo número de 11 filmes, entre longas e curtas.

Mas a Berlinale não acontece somente nas salas escuras. Além das exibições, o festival desenvolve atividades que contemplam a produção cinematográfica como um todo. Do European Film Market, que procura auxiliar na venda e distribuição das produções, passando pelo programa Berlinale Talents, período intensivo destinado ao aprimoramento dos realizadores, até o Talent Press, focado na formação de jornalistas especializados em cinema, o Festival propicia o protagonismo do cinema durante 10 dias.

Quer saber mais? Participe do bate-papo. A entrada é franca!

Todas as informações aqui.

Porto Alegre 243 anos e o projeto “Outros Olhares”

“Qual é o seu olhar sobre Porto Alegre?”

Essa foi a provocação proposta pelo jornal Zero Hora ao convidar artistas visuais, fotógrafos e poetas contemporâneos a apresentar um mosaico de visões criativas e poéticas sobre a cidade que completa hoje (26/03) 243 anos. E assim surgiu o projeto “Porto Alegre Outros Olhares“.

Três artistas professores da Escola Fluxo participaram do projeto: nosso diretor Danilo Christidis, Romy Pocz e Marco A.F., em parceria com o fotógrafo Thiago Coelho. Confira seus olhares sobre Porto Alegre:

Danilo Christidis

danilo_01

danilo_02

“Há aproximadamente três anos recebo imagens de um grupo chamado “Chrononautas”. Este grupo realiza expedições através do tempo investigando as causas do que hoje conhecemos como “Fim do Mundo”. A imagem agora revelada é de nossa cidade, Porto Alegre, capturada no ano de 2127. Segundo as investigações, a desertificação desta região teve início, segundo eles, em 2050, com a extrema profusão de prédios e destruição das zonas verdes da cidade, além da contaminação da água. Pouco a pouco as condições termodinâmicas impuseram a necessidade do esvaziamento da área urbana, tornando a cidade de Porto Alegre inabitada e insalubre.”

Romy Pocz

romy_01

romy_02

romy_03

romy_04

romy_05

romy_06

“Neste ano me aventurei no Porto Seco para conhecer melhor o Carnaval de Porto Alegre, pois confesso que nunca fui uma foliã de carteirinha. Produzi, então, essa série de fotografias sobre o que não é visível no desfile, o que está por trás da avenida e o que fica nos barracões entre um carnaval e outro.”

Marco A.F. e Thiago Coelho

marco_e_thiago_1

marco_e_thiago_02

marco_e_thiago_03

marco_e_thiago_04

marco_e_thiago_05

marco_e_thiago_06

marco_e_thiago_07

marco_e_thiago_08

“As imagens integram um projeto inédito e em andamento que desenvolvemos desde o ano passado. É sobre o bairro mais recente de Porto Alegre, Campo Novo, cujo nome dá título à série. Localizado na região extremo-sul da cidade, Campo Novo foi criado a partir de lei assinada em março de 2011. A área que hoje abriga o bairro foi uma região de produção agrícola primária, sendo formada por pequenas propriedades rurais. Porém, na última década, vem sofrendo uma ocupação urbana significativa. Esse processo revela o movimento da cidade, a busca da população por novos espaços de habitação e um mercado imobiliário que se expande sem qualquer planejamento urbano. A partir da exploração desse território, buscamos construir uma narrativa visual sobre a expansão das cidades, seus limites e indefinições.”

Confira o projeto completo aqui.

Escola Fluxo no Canela Foto Workshops

Canela Foto Workhops

Desde 2002 o evento Canela Foto Workshops reúne importantes fotógrafos do Brasil e do mundo na cidade de Canela. Durante os dias de sua realização a cidade respira fotografia, atraindo a participação de estudantes do interior do Rio Grande do Sul, de Porto Alegre e de vários estados brasileiros, além de turistas, e profissionais das mais variadas áreas para os seus workshops, palestras e atividades.

Foi também o Canela Foto Workshop que possibilitou a formação, a partir de 2012, do Canela Instituto de Fotografia e Artes Visuais que terá sua sede construída preservando um espaço histórico da cidade que são as ruinas de um antigo cassino cedido pela Prefeitura para tal. O objetivo inicial do evento, o de transformar Canela em um polo de excelência da fotografia, vem se consolidando ano a ano.

Em 2015 o Canela Foto Workshops acontece de 9 a 12 de abril, o primeiro final de semana após os feriados da Páscoa. A abertura será na quinta-feira, 9 de abril, com um coquetel de confraternização entre fotógrafos, alunos, convidados e autoridades.

O evento conta com uma programação diversa: além dos workshops, palestras, TEDs, mesas redondas, leitura de portfolios e exposições. Confira a programação completa aqui.

A Fluxo – Escola de Fotografia Expandida participa do evento com o Workshop Fotografia Documental – O Fotógrafo, sua Câmera e o Mundo, ministrado pelos fotógrafos Leo Caobeli e Danilo Christidis, no dias 9 e 10 de Abril, das 14h às 17h30.

Canela Foto Workhops

Realize sua inscrição no site do evento. Demais dúvidas e informações: (54) 8416-2797 ou contato@canelaworkshops.com.br.

Exposição Distanz no Goethe-Institut

A distância seria uma coisa vazia que a gente portava no olho
(Manuel de Barros)

distanz_02

Não importa estar perto ou longe, ver à distância é uma tomada de posição, um exercício de deslocamento não apenas do olhar. Nas distâncias ocorreram as aproximações expressas em vídeos, áudios e fotografias retratadas na Exposição Distanz – resultado de parcerias de Elaine Tedesco com Klaus W. Eisenlohr, Sandra Becker e Marion Velasco e também dos trabalhos individuais de cada artista.

A abertura será hoje (18/03), às 19h na Galeria do Goethe-Institut Porto Alegre (24 de Outubro, 112). Às 18h também acontece a Vernissage de abertura (veja o evento aqui). A entrada é franca e a exposição vai até dia 02/04.

Outras atividades também acontecem paralelas a exposição. Confira a agenda completa:

20 de março | 17h
Preto e branco, o processamento da liberdade na sociedade digital
Palestra de Sandra Becker (Alemanha)
Auditório do Instituto de Artes da UFRGS
Rua Senhor dos Passos, 248
Entrada franca
Em espanhol

6 de abril | 19h
A ação das imagens – fotografia em mídias sociais
Palestra de Klaus W. Eisenlohr (Alemanha)
Auditório do Goethe
Entrada franca
Tradução simultânea

Enquanto, há anos atrás, a fotografia era usada para capturar e conservar momentos no tempo, o propósito do crescente número exponencial de imagens digitais capturadas é compartilhar, ou melhor dizendo: a comunicação instantânea. Na atualidade, a posssibilidade de ação da imagem fotográfica é a sua qualidade, ao invés de seu valor como memória. Com a influência das medias baseadas em imagens na internet, existiriam novos modos de percepção das imagens? Portanto a questão dessa palestra é se as ações geradas com o uso imediato das imagens é uma nova qualidade que se aplica a fotografia contemporânea.

8 de abril | 19h
Mostra de Filmes Urban Research
Curadoria de Klaus W. Eisenlohr
Sala P.F. Gastal, Usina do Gasômetro
Entrada franca

Urban Research é um programa de cinema e vídeo com curadoria de Klaus W. Eisenlohr desde 2006 que acontece durante o Berlin International Directors Lounge festival. Urban Research abrange filmes e vídeos sobre explorações do espaço público, os relatórios das condições de vida urbana e intervenções na esfera urbana realizados por artistas de cinema e vídeo internacionais usando abordagens experimentais, documentários, vídeos abstratos ou formas fictícias.

Realização:
Goethe-Institut Porto Alegre, Laboratório de Imagem e Tecnologia e Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais UFRGS.
Apoio:
Escola Fluxo, Go Image e Fundação Vera Chaves Barcellos.

O delicado projeto coletivo “O Fim da Solidão”

O projeto “O Fim da Solidão” resulta no trabalho coletivo de Rochele Zandavalli – artista visual, fotógrafa e professora da Escola Fluxo, Greice Antes – estilista da marca própria Greice Antes Stúdio – e da designer de jóias Alice Flor.

Três mulheres, três olhares e o fim do isolamento através da comunhão de sensibilidades. As artistas juntaram forças: das fotografias borbadas de Rochele, surgiram as inspirações para estamparia de lenços e casacos de Greice e para os colares e broches de Alice.

Confira o registro da minúcia e delicadeza através das lentes de Thiago Lázeri:

O Fim da Solidão from Thiago Lázeri on Vimeo.

O premiado “That Crazy Feeling in America” de Marco A.F.

Marco A.F. – artista, fotógrafo e professor da Escola Fluxo – foi o vencedor do “Prêmio Tempo Movimento” do Diário Contemporâneo de Fotografia (confira a lista completa de vencedores aqui).

O projeto “That crazy feeling in America” é uma instalação composta de doze fotos e um video. A ideia do projeto é ser uma espécie de roadtrip imaginária pelos EUA, a partir de filmes hollywoodianos realizados por diretores de outros paises. É também uma revisão (e, porque não, homenagem) ao livro “The Americans”, do fotógrafo suíço Robert Frank.

Confira algumas fotos do projeto:

That_crazy_feeling_in_America

That_crazy_feeling_in_America_2

That_crazy_feeling_in_America_03

That_crazy_feeling_in_America_04

That_crazy_feeling_in_America_05

A Fluxo se orgulha em ter pessoas tão talentosas em sua casa e de alguma maneira estar fazendo parte da trajetória de fotógrafos como o Marco. Parabéns, Marco!

Conheça mais do trabalho de Marco A.F.: marcoaf.com

Marco é nosso professor no curso Avante! – Teoria e Prática em Fotografia Expandida. Saiba mais sobre o curso.

Mulheres e Fotografia: Dia Internacional da Mulher

Conheça o trabalho de 7 mulheres que influenciaram a fotografia contemporânea

capa

Constance, esposa de Fox Talbot, pioneiro da fotografia, ajudou-o a desenvolver papéis fotosensíveis e também no desenvolvimento das imagens de seu marido. Ela também ajudou a descobrir como adicionar iodo ao processo de Talbot para aumentar a sensibilidade à luz do papel.

A primeira fotografia de paisagem realizada com um Daguerreótipo, foi feita por uma mulher, Ann Cook.

Margaret Bourke-White foi primeira ocidental a fotografar em território soviético.

Poucos sabem sobre o papel fundamental das mulheres na história da fotografia. Talvez por se tratar de uma prática por vezes artística, o ingresso da mulher no mundo fotográfico tenha sido facilitado em meio a uma sociedade altamente machista, se comparado a outras práticas onde houve uma resistência ainda maior. Mesmo com entraves sociais, muitas mulheres conseguiram papel de destaque. Já em 1951, por exemplo, Eve Arnold, tornou-se a primeira mulher a entrar para a Agência Magnum, fundada por Robert Capa.

Conheça um pouco mais do trabalho de 7 mulheres que, com todo o seu talento e uma câmera na mão, influenciaram a fotografia contemporânea:

Julia Margaret Cameron (1815 – 1879)

Julia Margaret Cameron começou a estudar fotografia aos 48 anos como hobbie. E mesmo assim, é conhecida por sua contribuição significativa na história da fotografia.

Vinda de família abastada, Julia aproveitou seu círculo de amizades para retratar várias personalidades da época, registrando retratos históricos como de Charles Darwin. Conhecida por captar olhares marcantes de seus modelos, sua subjetividade, teatralidade e luz peculiar, ela ainda inspira fotógrafos atuais.

A artista utilizava acessórios, indumentária de época e tecidos em seus cenários, criando uma aura onírica e remetendo a tempos passados e ficções fantásticas.

julia_margaret_camaron_01

julia_margaret_camaron_05

julia_margaret_camaron_04

julia_margaret_camaron_03

julia_margaret_camaron_02

Condessa di Castiglione (1837 – 1899)

Virginia Oldoini, filha da nobreza de Florença, permaneceu na alta roda da sociedade pelo casamento (arranjado) com Conde di Castiglione, simplesmente por interesse financeiro. Ela acabou levando o marido à falência com suas extravagâncias.

Condessa era conhecida por ser uma das mulheres mais bonitas de sua época, e seu narcisismo acabava transparecendo em sua produção fotográfica. Seu interesse era capturar suas facetas através da fotografia. Os registros são da artista com seus vestidos extravagantes e figurinos de saraus e bailes de máscaras, com vestes que usava em teatros, óperas ou de sua própria imaginação.

Ela também serviu como modelo, musa e colaboradora do fotógrafo da Corte, Pierre-Louis Pierson. Diferente da maioria das modelos, a Condessa era quem escolhia todos os aspectos dos cenários de suas fotos.

condessa_di_castiglione_01

condessa_di_castiglione_02

condessa_di_castiglione_03

condessa_di_castiglione_04

condessa_di_castiglione_05

Dorothea Lange (1895 – 1965)

A obra de Lange se confunde com própria trajetória do fotodocumentarismo social. Uma de suas imagens, “Mãe Migrante” (1936), sempre figura as listas de mais importantes de todos os tempos.

Filha de imigrantes alemães, a nova-iorquina já tinha seu estúdio quando a Grande Depressão devastou a economia americana. Nessa época, Lange trocou seu estúdio pela fotografia de rua e registrou a pobreza em mais de 20 estados americanos, participando de um órgão do governo Franklin Roosevelt para ajudar a população de áreas rurais que foram afetadas pela crise. Na época, suas fotos ajudaram a melhorar a situação dos fotografados.

Lange seguiu se dedicando ao fotojornalismo e continuou fazendo ensaios documentais para revistas como a Life e Aperture.

dorothea_01

dorothea_04

dorothea_03

dorothea_02

dorothea_05

Margaret Bourke-White (1904 – 1971)

Na fundação da revisa Life, o editor Henry Luce logo tratou de convidar Margaret Bourke-White para fazer parte da equipe. Margaret, que também é um dos grandes nomes do fotojornalismo mundial, já trabalhava com a chamada fotografia industrial. Entretanto, sua sensibilidade, ambição e talento chamaram a atenção do editor que apostou na fotógrafa para dar vida às grandes reportagens fotográficas que seriam um dos pilares da Life.

No início dos anos quarenta, Margaret foi enviada para a Rússia e foi a única fotógrafa estrangeira presente nos bombardeios de Kosovo. Ela seguiu fotografando cenários de guerra e teve importante papel no registro da Segunda Guerra Mundial: suas fotografias da libertação do Campo de Concentração de Buchenwald foram publicadas com alarde em todo o mundo.

Antes de ser acometida pelo Mal de Parkinson, ela também registrou a luta pela independência na Índia e Paquistão, inclusive fazendo o último clique de Mahatma Gandhi antes de seu assassinato. A imagem entrou para história.

margareth_01

margareth_02

margareth_03

margareth_04

margareth_05

Eve Arnold (1912 – 2012)

Uma vida dedicada à fotografia: os 50 anos de carreira de Eve Arnold são celebrados por sua versatilidade e pela excelência do seu trabalho.

Filha de imigrantes judeus russos, sua infância humilde e cheia de restrições influenciou sua contrastante obra. Seu olhar social chamou atenção: retratava os oprimidos e marginalizados com beleza e compaixão.

Tornou-se a primeira fotógrafa da Agência Magnum, fundanda por Henri-Cartier Bresson e Robert Capa, atuando como pioneira ao abrir os caminhos do mercado para mulheres fotógrafas. Além do trabalho fotojornalístico, grandes retratos entram na seleção de fotos icônicas, como os registros marcantes de personalidades como Malcon X, Marilyn Monroe e Elizabeth Taylor. Eve explorou também a fotografia colorida, em viagens para China, Mongólia, Rússia, África do Sul e Afeganistão.

Ela nos deixa mensagens incríveis e inspiradoras: “Eu sou uma mulher e queria saber mais sobre as mulheres”.

eve_arnlod_01

eve_arnlod_02

eve_arnlod_03

eve_arnlod_04

eve_arnlod_05

Francesca Woodman (1958 – 1981)

Autorretratos, nus fantasmagóricos, prenúncio de suicídio. O trabalho da fotógrafa Francesca Woodman se confunde com sua biografia.

Nascida nos Estados Unidos, Francesca criou-se na Itália, rodeada por artistas amigos de seus pais boêmios. Porém nem a vida social ou o quente cenário Toscano parecem existir no bucolismo preto e branco de sua obra. Fundindo imagem e ambiente, a maioria de suas imagens são autorretratos ou mulheres capturadas em cenários perturbadores e solitários.

Francesca infelizmente veio a cometer suicídio aos 22 anos, deixando o mistério de seu talento e um ego frágil de sua personalidade obsessiva.

francesca_woodman_01

francesca_woodman_05

francesca_woodman_04

francesca_woodman_03

francesca_woodman_02

Vivian Maier (1926 – 2009)

Vivian Maier viveu sendo um mistério. A babá que descobriu-se fotógrafa permaneceu uma personalidade fracionada, trancada dentro de si mesma. Talvez fosse a sua única forma de existir, mas o fato é que Vivian deixou como legado um dos mais marcantes retratos de Chicago e Nova Iorque.

Pouco se sabe de sua biografia: nova iorquina, filha de operários, trabalhava como babá e em seus dias de folga dedicava-se a fotografia. Também chegou a registrar Bangkok, Egito e Itália. O curioso é que Vivian guardou toda a sua produção para si mesma. E foi apenas em sua velhice (em 2007!), em funções de dificuldades financeiras e um leilão de seus pertences, que sua produção foi descoberta e o valor artístico de seu material reconhecido.

E assim seu grandioso talento foi descoberto: um panorama social urbano dos anos 1950 e 1960, um olhar cheio de empatia sobre crianças e mulheres, a vida de gente simples, a experiência de afro-americanos na cidade, bêbados, vagabundos e centenas de autorretratos.

vivian_maier_01

vivian_maier_02

vivian_maier_03

vivian_maier_04

vivian_maier_05

A Escola Fluxo busca realçar e difundir o papel da mulher nas artes visuais, na criação artística, na curadoria, na crítica e na investigação.

Nossa homenagem a todas as mulheres, no Dia Internacional da Mulher.